CONTABILIDADE PARA CONSTRUTORAS: POR QUE ELA É TÃO ESPECIALIZADA ?

Por não compreender as especificações do setor, nem todos os contadores atendem construtoras. Descubra os motivos.

 
Contabilidade não é tudo igual. Assim como a medicina possui suas especialidades, a contabilidade também exige conhecimento para cuidar da saúde financeira das empresas em diversos segmentos. O ramo das construtoras e incorporadoras, em particular, possui detalhes que todo contador precisa dominar. 
 
Se a sua empresa é uma empreiteira, administradoras de obras ou um escritório de arquitetura ou engenharia, ter uma contabilidade especializada na área garante o alicerce que fará seus negócios crescerem. 
 
Não precisamos repetir sobre a quantidade de normas fiscais e contábeis existentes, mas o assunto é tão sério que não é incomum que empresas de contabilidade simplesmente optem por não atender este segmento. Parece impensável, mas ocorre com certa frequência. 
 
Vamos revelar, a seguir, quais motivos levam os contadores a dizerem NÃO para construtoras e incorporadoras. 
 
De olho no mercado
 
Após um período de estagnação, o mercado brasileiro de construção civil se recupera, o que estimula compradores a buscarem a realização do sonho da casa própria e construtoras e incorporadoras a lançarem empreendimentos. 
 
O cenário parece perfeito para todos, então, qual seria o diferencial diante de tantas possibilidades? 
 
Essa relação de confiança no momento de optar pela empresa X ou Y, inclui a reputação da construtora, considerando idoneidade, solidez e, é claro, boa saúde financeira. O comprador quer se certificar de que fechará um bom negócio. 
 
É neste momento que a contabilidade para este setor entra em cena e trata, com conhecimento de causa, das dores do empresário. 
 
Por que o tema é tão delicado? 
 
Entre as barreiras enfrentadas estão a quantidade de canteiros de obras, longe ou perto da sede da empresa, deslocamento constante de colaboradores, além das variadas formas de contratação, como diretos, terceirizados, fixos, temporários e, mais recentemente com a reforma trabalhista, os intermitentes. 
 
Considerando este volume de empregados, um dos pesadelos contábeis neste segmento é organizar as informações dos colaboradores que, em sua maioria, são alocados por obra. Todos os dados precisam ser repassados ao FGTS e à Previdência Social através do SEFIP (Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social) com as devidas guias emitidas e recolhidas, dentro do prazo correto. 
 
Para grandes corporações, o erro acarreta em juros, correções e multas do governo, causando transtorno. Para pequenas e médias empresas, o prejuízo pode determinar o fechamento das portas. 
 
Calma que não para por aí! Toda atenção deve ser redobrada, pois as obras costumam durar mais de um ano e os novos cenários não podem pegar a contabilidade desprevenida. 
 
Aliás, você sabia que sem um registro permanente de estoque, construtoras e incorporadoras desobedecem a legislação vigente? Ele deve conter termos de abertura e encerramento assinados pelo contribuinte e o contabilista legalmente habilitado. 
 
Para contornar estas situações, o planejamento a longo prazo é essencial e só um contador especializado na área pode encontrar o melhor caminho para construir uma relação sólida com o empresário. Através de uma contabilidade ágil, eficiente e estratégica, as oportunidades podem ser aproveitadas sem riscos. 
 
E então, você acredita que hoje a contabilidade que te atende no segmento de construção civil está entregando os melhores resultados? Solicite um diagnóstico personalizado do seu negócio com a InNetContabilidade
 

Fonte: Cintia Vieira


Voltar

Compartilhar

Todos os direitos reservados ao(s) autor(es) do artigo.